17 de dez de 2013

A vida de Pedro na música e poesia brasileira


               Pedro nasce em um soneto de Vinicius de Moraes, o qual lhe conta, de maneira resumida, as dificuldades para que Pedro tivesse um percurso totalmente e completamente facilitado nem que para isso tivesse que sentir todas as dores em seu lugar. A poesia em si é citada como a redenção daquele que o conta, uma  explicação a Pedro.


Pedro cresce e parece nada mais do que mais um brasileiro. Em Pedro Pedreiro de Chico Buarque o "Pedro pedreiro penseiro" esperando a vida acontecer enquanto apenas espera. Espera que a vida mude enquanto espera o trem. Pedro parece ir apenas no fluxo do trem. Pedro não vai sozinho, não vai por si só. Pedro fica sempre esperando, esperando e esperando. tudo que puder esperar. 




No relato de um amigo, uma visão de fora, nos dá com maior precisão o que ocorre na vida de Pedro. Em "Meu amigo Pedro" de Raul Seixas observa-se claramente a dualidade da maneira que Pedro vê sua vida e o que pensa do mundo em contrapartida com a vida e visão de seu amigo. Pedro é sacudido com tanta verdade, é mostrado que no fim, todos acabam do mesmo jeito. A maneira que Pedro vê as coisas poderia estar simplesmente equivocada.



No fim do percurso com a música "Com medo, com Pedro" de Gal costa, Pedro finalmente se encontra em epifania, juntamente com a sua companhia que não sente medo da vida ao estar com Pedro, e mesmo que sentisse se jogaria ao fundo que no fundo há mais. Pedro depois de passar por Vinicius, Chico e Raul se joga em Gal. Pedro nasce na voz de um e termina no fim do fundo, no fim de tudo, bem depois do fim do mundo. Pedro é só mais um brasileiro, junto dos clichês mas além deles também. Pedro é percurso, Pedro, o pensero. Pedro  que passou boa parte da vida esperando, julgando e se remoendo. Pedro que desesperadamente esperava o medo de continuar esperando, de ter que chorar escondido e sempre usar o mesmo terno. O Pedro talhado em Lágrimas de Vinicius e cotidianizado no trem do Chico se jogou com Gal para descobrir a porta no fim de tudo. Pedro entendeu que para onde ele vai seu amigo também vai. O fim é igual para todos. Todos os Pedros, todos os amigos dos Pedros e para todos nós. Esperar como ele fez é o que a maioria de nós fazemos. Nascemos todos sobre lágrimas de Vinicius mas podemos avançar e ir além do que nos conta Chico e Raul. Podemos terminar o percurso de outra maneira antes do fim de tudo. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário